Rui Augusto Do Tolnetwork.com

Olá Rui! Como também te chamas Rui, já tenho a certeza que vou gostar da entrevista :) . Que idade é que tens? Li que tinhas 37 anos numa entrevista em 2009. Já fizeste 38 anos? Estás quase com 40 anos. Eu também. Tens medo de ficar velho? Já tens cabelos brancos? Já sentes dores que quando eras mais novo não sentias?

Para já deixa-me agradecer a publicação da entrevista no webmaster.pt. Actualmente tenho 38 anos, mas creio que vou ficar mais velho no final das minhas respostas, pois é certamente a entrevista mais longa que já me fizeram. Não tenho medo de ficar velho, mas já não posso fazer coisas que fazia antes, no entanto a sensação de que o tempo passa cada vez mais rápido é inevitável, daí que o único receio é a possibilidade de não se conseguirem realizar alguns sonhos ou atingir certos objectivos na vida. Cabelos brancos devo ter 1 ou 2, nada mais…quanto à questão física, é verdade que está deixada um pouco para segundo plano, a idade já pesa.

Eu ainda não tenho filhos. Tu tens 2 filhos. Espero concretizar esse projecto antes de começar a usar uma bengala. Mas, como é que consegues conciliar o teu trabalho a tempo inteiro, o teu trabalho fora do horário de trabalho a trabalhar nos teus sites e ainda 2 filhos? Sem esquecer a tua mulher, senão sofá… :)

Tenho dois filhos, um com 7 e outro com 4 anos e já competem pelo PC comigo. Queixam-se um pouco que estou sempre a querer trabalhar. Por outro lado aproveito quando eles vão dormir para trabalhar e responder a entrevistas como esta. Depois há os fins-de-semana, onde sobra sempre um tempo para trabalhar mais um pouco. Se fosse mais novo não dedicaria tanto tempo aos sites, até porque há os estudos, diversão e coisas que só se fazem com 20 anos! É preciso por isso alguma dedicação e flexibilidade, para conseguir fazer tudo. Contudo não sigo nenhum plano nem checklist de melhores praticas, nem uso nenhuma ferramenta para gestão do tempo.

Há dias li um artigo a promover o Slow Food em posição ao Fast Food? Tens uma alimentação saudável? O facto de teres filhos obriga-te a dar o exemplo à mesa? Comes sopa? Obrigas os teus filhos a comer sopa e a comer fruta? O que é que achas da oferta de brinquedos nas lojas de Fast Food, juntamente com a refeição?

Evidentemente nunca frequentei tanto o McDonalds como agora. Pelo menos uma vez por semana é quase inevitável. Depois há a questão pratica, pois muitas vezes dá jeito mesmo o fast food. Quanto à questão da oferta de brinquedos juntamente com a refeição é uma excelente técnica de ganhar tráfego orgânico e qualificado que converte melhor que o do Google! O marketing do McDonalds nesse aspecto é imbatível.

O que é que fazes no teu trabalho? Gostas do teu trabalho?

O meu trabalho está ligado à informática num grande grupo privado Português. Neste momento tenho a gestão de uma equipa onde gerimos uma rede com muitos PCs e Servidores, Windows e Linux. Há também os projectos, o suporte e tudo relacionado com isso. Como em todos os trabalhos há coisas que gostamos e outras que não…

Como é que são os teus filhos? São mais parecidos com pai, com a mãe? Como é que a personalidade de cada um? Todos os dias somos confrontados com a nossa própria mortalidade. Ou é o vídeo dos repórters da Reuters que foram assassinados no Iraque por soldados americanos, ou é a notícia do número de mortos durante a operação de trânsito da Páscoa. Achas que ter filhos dá outro sentido à vida? Aceitamos melhor a nossa mortalidade, porque estamos a dar lugar aos mais novos?

Obviamente não vou partilhar algumas das coisas que são do foro privado. Sim, os filhos dão outro sentido à vida, e passam a ser a coisa mais importante.

Li que começastes no negócio dos sites com o tuning.online.pt. Qual foi a ideia que te motivou a criar o site? A tua paixão por carros? É um dos sites mais visitados em Portugal na temática carros. Que carros é que tens actualmente? Trocas com frequência de carros? É difícil personalizar o carro, tendo em conta a legislação portuguesa? Costumavas ver o reality show american chopper? Sentes inveja da cultura americana nesse aspecto de facilitarem a inovação e a personalização?

Foi precisamente há 10 anos que iniciei o tuning.online.pt. Na altura tudo começou por tentar lembrar-me de algumas coisas que tinha aprendido na universidade, de html, etc pois estava com a ideia de montar uma empresa com uns colegas. O tema foi apenas algo com que estava à vontade e que fazia parta da minha navegação na net nos “early days”. A paixão por carros e o gosto pelo tuning complementaram e bem essa aposta. A brincadeira passou a coisa séria e em pouco tempo tornou-se o site mais importante sobre tuning em Portugal. Hoje ainda é, o que tem mais tráfego e o mais antigo com actualizações constantes, uma referência.

Actualmente tenho dois carros, um Golf TDI 110 que me acompanha desde o inicio do site e que está bastante alterado. Começou com 110cv e hoje tem uma adaptação de um sistema biturbo e tem 300cv. Alias teve um problema no motor, a idade já pesa e as alterações a este nível não perdoam. Depois tenho um BMW 320d. Não troco de carro com frequência, o Golf tem mais de 10 anos. No entanto como dizes, não é fácil personalizar um carro em Portugal, pois quando queremos fazer coisas que aumentam a segurança, ou que não implicam nada em termos de comportamento do carro, a lei não o permite. Há obviamente problemas com o tuning, muitos deles provocados por marginais, que nada tem que ver com a modalidade, ou que confundem as coisas. As restantes pessoas também uma ideia muitas vezes erradas do que é o tuning, ou têm uma imagem que nem sempre corresponde ao correcto. A lei proíbe todas as alterações excepto as previstas no regulamento. Mas esse regulamento nunca foi publicado.

Quanto ao American Chopper, sim, vejo às vezes, é mundo completamente à parte, mas também sei que é um show feito para a televisão. Não sei se sabes, mas o programa tem os dias contados, o Pai recentemene processou ou filho em cerca de 1 milhão de dollars…desentenderam-se…um mundo à parte como tu dizes.

Acompanhas a Formula 1? Qual a tua equipa favorita? Quem é que vai ganhar este ano? Que opinião é que tens sobre o regresso do Michael Schumacher?

Já não acompanho a fórmula 1. Desde o acidente do Ayrton Senna que me fui desligando. É a melhor montra tecnológica do mundo automóvel, mas a competitividade deixa muito a desejar. Desde que me lembro que a minha equipa favorita era a Lotus, o carro preto da John Player Special com o Elio de Angelis (nº11) e depois o Senna (nº12), ambos morreram. Quem vai ganhar este ano não sei, é que não ligo mesmo nada já. Sobre o regresso do Schumacher, acho que é uma boa jogada e eventualmente tem ainda muito para dar ao desporto. Acho que falta gente com carisma na F1.

Quando o domínio online.pt ficou livre e dum momento para outro alguns milhares de sites ficaram offline, incluindo o teu tuning.online.pt, como é que viveste essa experiência? Tiveste que consultar um cardiologista? Sempre fiquei com a impressão que a resolução do problema passou pela reinterpretação das regras de registo de domínios da FCCN, porque Ondas Lineares – Soluções de Informática, Lda. é uma firma onde não consta a palavra online. Então a ideia da abreviatura dos nomes da firma passou a ter um novo significado. No caso do tuning.online.pt, o que é que aconteceu? Quantos dias é que esteve offline?

Nem me lembres disso, passei uma noite muito mal. Tal como disse no post que escrevi nessa noite, era um projecto de 7 anos, que representava muito para mim e muitas outras pessoas que visitavam o site diariamente. Era também uma parte muito importante dos meus rendimentos. Penso que foram cerca de 24 horas ou próximo disso que ficou offline. A Ondas Lineares, que ficou com o domínio assegurou o serviço. Lembro-me que várias pessoas me ajudaram, procuraram e partilharam informação que encontravam na net e as coisas resolveram-se.

Quando é que mudas o tuning.online.pt para um domínio teu? O techzonept.com mudou durante o ano passado para zwame.pt. É verdade que perderam tráfego e ranking, mas francamente também não sei se fizerem os 301 redirect que deveriam ter feito. Mas, acho que o projecto deles é mais forte hoje do que era no tempo do techzonept.com. Com o branding e o domínio .pt até acho que ganharam credibilidade na comunidade.

O tuning.online.pt começou como um site criado numa conta do Clix. Na altura o serviço da co.pt que apresentavam tinha algumas vantagens e como eu também não sabia o que sei hoje, era uma boa escolha, ou parecia-me uma boa escolha. Não me estou a ver a mudar o nome e o domínio, embora tenha feito tentativas para comprar o tuning.pt, mas os preços eram incompatíveis. Como se trata de um site autoritário nessa área, o online.pt não representa actualmente um problema, embora claro, tenha os seus inconvenientes.

Li que em 2005 começaste a criar sites para ganhar dinheiro com publicidade. Descobriste o adsense e os programas de afiliados. Eu costumo repetir esta pergunta, mas é obrigatória. Onde é que aprendeste? Que sites e blogs de língua inglesa seguias e ainda segues? Quais são os teus bloggers profissionais preferidos? Ainda os lês?

A primeira forma de rentabilização foi com a venda de banners. Lembro-me também de ter recebido um mail do programa de afiliados da Amazon, a convidar-me para aderir ao programa. Na minha ingenuidade esse convite representava muito. Aos poucos fui vendo sites com Adsense e nunca procurei informação, até que lá me inscrevi. Meti 2 ou 3 blocos em locais que considerava estratégicos e lá fiz 30 a 40€ nos primeiros 3 meses. Depois, como vi que o sistema tinha potencial, procurei informação em sites de artigos grátis, aqueles que hoje consideramos apenas para submeter o nosso conteúdo e ganhar backlinks. O meu site preferido é o goarticles.com. Apliquei parte da informação que li nesses artigos e numa semana ganhei 3 vezes mais do que os 3 meses anteriores. Depois foi uma questão de ler mais e aperfeiçoar as técnicas. Deveria ter aderido logo em 2005.

Fui também convidado pelo Google para um evento que organizaram em Portugal, o Google University, e foi mais uma vez um reconhecimento pelo trabalho que fazia e pela forma como integrava o adsense ou pelos ganhos que tinha. Cheguei a comprar alguns livros de Adsense, mas já não aprendi nada relevante nesses livros. Depois é uma questão de prática, testes e bom senso.

Os blogs vieram mais tarde, mas comecei por ler o Problogger.net do Darren Rowse. Se tiver que destacar outro seria o Aaron Wall com o Seobook. Ambos representam áreas chave na questão da rentabilização de projectos online. Não tenho muito tempo para os ler e a maior parte dos artigos são lidos na diagonal actualmente.

Acho que chega a um ponto que os webmasters tem que se centrar no conteúdo e mais vale perder uma ou duas horas a escrever um artigo importante, do que dispensar o mesmo tempo à procura de um link de qualidade. Contudo é também preciso estar actualizado e preparado para mudar de estratégias, se for preciso.

tolnetwork

Estive em vários sites teus e o que se passa com o background preto ou cinzento escuro? É um fetiche? Não me leves muito a sério. Mas, tens claramente uma preferência por backgrounds escuros. Achas que consegues isolar melhor o próprio site, focando a atenção do visitante no conteúdo? Costumas testar os elementos do design na medida que afectam a taxa de
conversão dos teus objectivos?

Sim, gosto de backgrounds escuros, o gosto vem de longe, mas são predominantes, reconheço (ate fui contabiliza-los). Como tu dizes destacam o conteúdo, mesmo quando este também tem uma imagem mais escura. Tenho também as minhas ideias sobre a conversão dos sites e a colocação da publicidade. O tipo de site também me faz mudar os locais e formatos da publicidade. Sei que um design muito trabalhado com muitos elementos gráficos também não converte bem em determinados projectos. Adoptei algumas regras e não perco muito tempo em fazer mais testes. Para certos projectos tenho templates que adaptei que possuem boas taxas de conversão, sem provocar a click acidental ou a colocação da publicidade nos locais do conteúdo principal.

Li esta frase tua numa fórum: “escolhe uma noticia do dia qualquer….da lusa….faz uma pesquisa pelo titulo e ve quantos sites aparecem….a mesma cópia…o mesmo conteúdo….obviamente uns posicionam-se melhor que outros…ou pelo peso do dominio….ou pela hora de submissão do conteudo…etc…” e estavas a debater a questão de conteúdo duplicado. Eu prefiro falar de jornalismo. No Twitter tenho tido alguns debates com jornalistas a propósito da ideia que os bloggers criam conteúdos, mas não estão sujeitos às obrigações dos estatuto dos jornalistas, etc.. Ou seja, alguns jornalistas gostariam muito de acabar com os malditos bloggers, que estão a concorrer e a causar o declínio da imprensa escrita. Como é que vês o jornalismo daqui a 10 anos? Achas que a CNN é um bom exemplo, com o ireport, entrevistam bloggers, dão destaque a tweets e comentários sobre as notícias? Um estudo qualquer apresentado por uma jornalista concluía que mais de 50% dos bloggers nos EUA viam-se como jornalistas. Eu discordo em absoluto. E tu? Achas que um blogger é um jornalista?

Sim, essa frase é recente. Publicar uma press release, que é publicada igualmente em 10 ou 20 jornais e sites Portugueses não acho que seja penalizador, se não os sites dos jornais estariam banidos do Google. O site que puder indexar a press release primeiro e que consiga um melhor posicionamento estará também em vantagem para essas pesquisas. O mito que não se recebe tráfego se o conteúdo foi duplicado é mentira. Eu não estou a falar na cópia de conteúdo criado por outro blogger ou webmaster, etc, pois eu também não gosto que me copiem os meus artigos. No entanto uma press release é feita para ser divulgada e quem a produz, pretende isso mesmo.

Sobre a imprensa escrita, acho que não sabem aproveitar os recursos que possuem online. Azar o deles. Acho que devem permitir o acesso apenas a utilizadores que paguem o acesso a esses conteúdos. Devem tomar essa medida já. Estou ansioso que tomem essa decisão. Condeno o facto de não colocarem link para as fontes ou para sites que sustentam os artigos que publicam, não só como utilizador da internet, pois tenho que escrever o link à mão, como pelo facto de ser uma desvirtualização da Web e do html.

Não acho que um blogger seja um jornalista, mas há bloggers jornalistas e há bloggers que possuem jornais online. Vejo mais um blogger como um comentador ou autor de artigo de opinião que já é comum também ver nos vários jornais.

Num fórum, abordaste directamente um membro que estava a copiar um artigo dum dos teus sites e apenas pediste que fosse colocado um link e referência para a fonte do artigo. E em várias discussões sobre o tema defendeste que o plágio pode ter resultados positivos para a vítima desse plágio, seja pelos links, tráfego, notoriedade, posicionamento no google, etc. Do ponto de vista ético, achas que essas vantagens pesam mais do que a defesa da tua marca, do teu direito à autoria dos artigos que escreveste? Não corres o risco de passar a mensagem que o plágio até é fixe?

Passei várias noites a escrever alguns artigos para o tuning.online.pt. Artigos esses, que exigiram muita investigação, recurso a várias fontes etc. Esses artigos acabaram por ser copiados e chegaram até à wikipedia, traduzidos para Brasileiro. Não faço ideia do número de vezes que alguns desses artigos foram copiados. Chega a certo ponto que é impossível conseguir-se fazer alguma coisa. Pedindo um link resolvo parte do problema e não me chateio muito.

Há muitas técnicas para evitar parte dos problemas das cópias (o que não quer dizer que as aplique sempre). Podemos evitar o hotlink das imagens (pode não ser problema para muitos, mas também é conteúdo), podemos colocar links nos artigos para os próprios site ou para outras páginas do nosso site, e muito mais. Nem toda a gente sabe copiar! O que eu referi, é que se parte do esforço for em optimizar essas técnicas ou até em dar conteúdo free, etc é tempo melhor gasto do que andar a contactar montes de autores de sites e empresas de aloajmento ou blogs free para retirarem o conteúdo. Podia-te mostrar por ex um parágrafo de um texto que tem montes de cópias integrais. Obviamente acho que acabo por perder tráfego e isso é mau.

Mas isto também acontece com outros tipos de sites, basta reconhecerem-nos alguma autoridade na área e não há nada a fazer!

Obviamente que devemos evitar que nos copiem o conteúdo e nem sou a favor disso, nem promovo isso. No entanto há conteúdo que é de livre utilização, como artigos de sites de artigos grátis, press releases e muito mais.

Mas relativamente a este assunto em particular, irritei-me um bocado porque houve uma discussão sobre um determinado artigo do Custódio, e ninguém estava a comentar o que era relevante, levaram a discussão para outros campos…enfim…não perceberam o que era importante nesse artigo.

Qual é a melhor dica que podes dar sobre Google AdSense? E sobre SEO? Já estás na REDE? Achas que a REDE obrigou os webmasters a diversificarem as fontes de tráfego? Eu acho que o Google não vai ter a importância que tem hoje nos próximos anos, exactamente por causa do crescimento do Facebook, do Twitter, do Youtube e do aparecimento eventual de redes sociais ainda mais evoluídas. O que pensas sobre isso?

É difícil referir apenas uma dica sobre Adsense, mas talvez seja aconselhar os teus leitores a ler as 20 melhores dicas Adsense. Sobre SEO também há muito que pode ser dito. Não sendo a melhor dica, acho que há muita gente a começar projectos a pensar numa keyword apenas e optimizam erradamente apenas essa keyword. Se já estou na rede? Referes-te a redes sociais? Tenho conta em vários sites, mas não sou utilizador muito assíduo, o tempo não da para tudo.

Acho que as redes sociais estão a mudar isto (Web), mas não sei até que ponto se podem substituir ao resto (motores de pesquisa e portais). É preciso obviamente diversificar as fontes de tráfego, mas o tráfego precisa de ser de qualidade. Se é bom para o ego receber 5000 visitas de um site num dia, elas não servem de nada se os utilizadores não converterem, e aqui a conversão pode ser um click num anúncio, um comentário, a subscrição de um serviço ou até passarem a ser visitantes frequentes.

Vão existir novas técnicas para se obter tráfego e alguns sites vão ter que se adaptar a isso. A integração das redes sociais nos sites é também outra excelente hipótese de se ir tomando o pulso a esta nova moda…pois de repente parece que toda a gente fala no mesmo.

A ideia recorrente de deixares o teu trabalho para te dedicares a 100% aos teus sites parece encontrar resistência noutra ideia: a estabilidade da tua família, dos teus rendimentos, da tua vida. Há outras razões? O hábito de trabalhar num horário fixo? O prazer pelo teu trabalho a tempo inteiro? O convívio no local de trabalho com os teus colegas?

Na tua pergunta já referes o principal. Para eu deixar o meu trabalho teria que ter outra segurança ao nível dos projectos Web. Há diversos riscos, como o site ser atacado, ser banido de uma rede de afiliados, o site ser penalizado e perder tráfego, etc. Nestes casos não há “subsídio de desemprego” para aguentar uns meses. Por outro lado não sei em que medida dedicar-me durante mais 8 horas por dia aos projectos Web se traduziria num ganho proporcional. Teria obviamente que num curto prazo de tempo garantir um rendimento equivalente. Depois há o convívio e a falta de monotonia de um trabalho normal. Também há limitações em trabalhar em casa durante o dia, com filhos e mulher, o rendimento não é igual. Mas quem… sabe a criação de um projecto diferenciador já esteve mais longe…

A propósito da Netaffiliation, escreveste que não tinhas confiança no sistema de tracking, que havia falta de informação sobre atrasos nos pagamentos e que o suporte era deficiente ou inexistente. Por um lado, o mercado é muito pequeno. Por outro lado, falta concorrência à Netaffiliation. No maistrafego.pt também criticaste os negócios de ninharias: o jovem que compra um domínio .com e no dia seguinte está a tentar vendê-lo ou o site que ainda não tem tráfego, o conteúdo é mau e já tem a tabuleta vende-se. Não tem mais lógica olharmos para o mercado de conteúdos e descobrirmos novamente o Brasil? E a médio prazo até Angola? E não seria positivo convencermos a FCCN e o Comitê Gestor da Internet no Brasil a criarem um domínio para os países que falam português? Eu quando penso em mercado na internet, não olho para a União Europeia. E tu? Quando desenvolves um site em português, és europeu ou fazes parte da
comunidade de 230 milhões de pessoas que falam português?

Deixa-me trocar a ordem das perguntas…sim, o Brasil, Angola e outros países são uma oportunidade. Neste momento estou até a criar alguns sites específicos para o tráfego Brasileiro. Mas há também diversas oportunidades nos Estados Unidos, onde tenho também alguns sites bem posicionados no Google sobre tuning. Mas tenho igualmente tráfego de qualidade de vários países europeus noutro site com uma lista de membros bastante interessante. É preciso tempo se quisermos explorar todas as possibilidades. Quem trabalha sozinho ou em grupos pequenos tem uma flexibilidade muito maior e consegue ser mais inovador. Há também o acordo ortográfico, que pode ser outra área a explorar (não estou a sugerir que comprem domínios do tipo acordoortografi.co.pt ou coisas parecidas!)

Sobre os negócios dos domínios no maistráfego, comentei porque é sistemático alguns newbies investirem em domínios que não valem nada se não forem desenvolvidos e tentam vende-los no dia seguinte porque chegaram à conclusão que não têm tempo para os desenvolver. Depois vendem os domínios praticamente ao preço que custaram e isso é um mau negócio, uma grande perda de tempo.

A FCCN, enfim…não há muito a dizer. Aguarda-se a liberalização dos domínios…é quase como a legalização do tuning….uma coisa para países desenvolvidos…apenas.

A Netaffiliation tem um problema, falta de concorrência. Porque bastava chegar um player ao mercado que pagasse a horas, que tivesse um sistema de tracking que oferecesse garantias e o suporte fosse pelo menos aceitável, então a Netaffiliation não teria muitas hipóteses, ou teria que mudar de estratégia.

Um dos teus projectos recentes é um fórum sobre veículos electricos. Uma jogada de antecipação… Qual o endereço? Preocupas-te com os problemas ambientais? Afinal, tens 2 filhos menores e também tens responsabilidades no planeta que vais deixar aos teus filhos. O que é que fazes em termos pessoais e familiares para seres amigo do ambiente? Achas que daqui a 20 anos, o veículo eléctrico irá dominar a circulação rodoviária?

Sim, antecipação. Quando o assunto se tornar frequente no dia-a-dia dos condutores, quando as pessoas procurarem informação, espero ter nessa altura O site de referência em Português. O endereço é veiculoselectricospt.com. Preocupo-me em parte pelas questões ambientais, não são tão activo quanto deveria. Acho também que com o site promovo bem essas questões e contribuo para isso. O veículo eléctrico não irá dominar a circulação mas terá sem dúvida um peso bastante importante para não ser ignorado.

Contastes alguma mentira no dia 1 de Abril? Qual? Também caístes na notícia que o problogger tinha sido vendido ao Google? A notícia em Portugal começou a circular ainda no dia 31, o que deu credibilidade à notícia, mas o press release tinha sido publicado na Austrália, no dia 1 de Abril. Achas que foi um grande golpe de marketing?

Comecei um artigo sobre a Netaffiliation, mas ficou a meio, tive um dia bastante ocupado…ia ser engraçado, mas olha…talvez para o próximo ano… No dia 31 li o press release do Problogger mas rapidamente me apercebi disso, no entanto foi muito bem feito. Não segui foi a repercussão que isso teve nem o linkbait que gerou, mas deve ter sido interessante. Não disse antes, mas recomendo um artigo que o Darren Rowse escreveu sobre a forma como começou online, como rentabilizou o seu projecto, pode servir de inspiração para muitos.

Já vistes algum episódio de “Depois da Vida” com a médium britânica Anne Germain? Achas que ela lê bem as pessoas que tem à frente ou está a comunicar mesmo com os espíritos? És um darwinista convicto? Somos um acidente? E nada mais do que um acidente?

Esta pergunta não era para mim pois não?

Tens sonhos pessoais que ainda não cumpristes? Quais?

Há um que tem um motor V12…enfim….usando um pouco o teu estilo…o sonho comanda a vida. Gostaria de proporcionar uma boa educação aos meus filhos e as condições para terem um futuro bom e que eu e a minha mulher estivéssemos cá tempo suficiente para assistir a isso, com saúde e segurança financeira.

Be Sociable, Share!

15 Comentários

  1. Obrigado pelo convite e publicação da entrevista.

  2. Excelente entrevista mais uma vez Rui. Gostei particularmente de algumas respostas do Rui Augusto, pelo qual tenho bastante admiração enquanto profissional e gestor de tempo. Eu que por vezes acho que faço demasiadas coisas em tão pouco tempo, quando olho para o Rui geralmente fico pensativo.

    Desejo a ambos um enorme sucesso nos próximos 8 meses de 2010, e se possível, que seja um ano de enormes sucessos para todos.

    Abraço

  3. Parabéns aos 2 Ruis!!

    Uma entrevista diferente que merece ser lida. Esta diferença acaba por ser um ponto de diferença em relação a outras tantas que começam a surgir.

    Porque não uma aposta em futuras entrevistas em audio, tipo podcast? Do ponto de vista do SEO não é a melhor coisa, mas fica a ideia…

    Cumprimentos, 

    JOliveira

  4. Não é facil responder uma entrevista destas. Ainda por cima porque há coisas que têm que ser ponderadas, pois há muitas coisas que não podem ser partilhadas publicamente.
    Foi também uma data feliz de publicação da entrevista, uma vez que comecei o tuning.online.pt há 10 anos atrás e isso foi também referido.

    • Olá Rui! Um dos problemas que as redes sociais colocam é a questão da privacidade. E o círculo da nossa privacidade vai diminuir. Acho que na entrevista um dos desafios que tivestes que enfrentar foi esse, o de estabelecer o que é privado e o que pode ser do conhecimento das pessoas que te conhecem na internet, mas não são teus amigos. São visitantes, leitores, admiradores e anónimos. Eu acho que és Rei e soberano acerca desse assunto. Cada um de nós é que tem que decidir e com ponderação quais são os factos da sua vida pessoal que podem ser do conhecimento público. E quais são os factos que merecem reserva. Depois há também os segredos do ofício. Só para citar os mais conhecidos, tu, o Paulo, o Custódio, o Webmilionário (preferia tratar-me pelo nome, se leres o comentário :) ), não publicam os segredos todos do ofício. Isso é compreensível. Ninguém vai explicar que tem o site x, sobre este tema y, que rende n Euros e que o site foi criado e promovido deste modo, passo a passo. Também aí há que estabelecer um limite aceitável entre os segredos que podem ser publicados e os que não podem ser publicados. A entrevista suscitou muito interesse. Mais uma vez agradeço as tuas respostas. Um Abraço Rui Soares

  5. Boas,

    Eu não conheço o Rui pessoalmente, mas é uma daquelas pessoas que teria muito sucesso em qualquer coisa que fizesse na vida. O facto que optou pela internet (pelo menos parcialmente) é uma mais valia para este ramo.

  6. Custódio também não é bem assim…já tentei ser jogador da bola e não tive sucesso!

    Sobre os segredos que se partilham, às vezes, sem dizer números ou sem dar uma listagem de regras a seguir, ensina-se também muito.

    O que acontece muitas vezes é que quem lê está à espera de receitas. Mas as receitas nem sempre funcionam.

  7. Olá João! Obrigado pelo seu comentário. Também gostei das respostas do Rui Augusto. É um exemplo a seguir. Um Abraço Rui Soares

  8. Jorge Couto

    Parabéns Rui pela iniciativa de trazer os "rapazes" á tribuna pública. Queria apenas comentar a ideia que ficou subjacente na sua última resposta ao Rui. Ensinar tudo, ou como diz o outro Rui dar receitas, é bastante útil e produtivo. Ensinem tudo a todos, talvez seja a melhor forma de limpar a web de tanto ruído, se não podemos profissionalizar as coisas vamos pelo menos matá-los de exaustão. Ainda estou á espera de ver os fenómenos, se é que não existem, de ver trabalho infantil problogger, um site da barbie ou de scraps do Orkut com o maior indice de vendas de desenvolvedores penianos, um gorila treinado que faz o blog mais indexado sobre arte moderna, ou um blog evangélico com paypal, pagseguro, visa, master e quejandos com milagres no indice. (escolha 3 pague dois). Quem sabe assim podemos utilizar em paz os serviços de pesquisa, sem termos que perder tempo a varrer as primeiras 10 buscas.
    Abraço, continue o bom trabalho.
    Jorge Couto

    • Olá Jorge! O Google ainda tem margem para melhorar a pesquisa e, se quiser, o AdSense. Existe um denominador comum ao ruído: $adsense. Enquanto funcionar num modelo que privilegia o CTR e o clique por engano ou o clique de saída de quem acabou de chegar… Um Abraço Rui Soares

  9. Souza

    Um dos grandes entraves para alguém se afirmar num segmento de mercado, seja em formato de blog, site, empresa, organização, e a falta de conhecimento geral. Neste geral, eu englobo colocando na primeira posição, conhecimento sobre a nossa língua materna, vê bem quantas vezes repetes verbos em tempos/pessoas que não existem , vou dar-te exemplos mais graves: estivestes, gostastes, tivestes, dedicastes, cumpristes, bem, são tantos que não vou enumerar…. Tem muita atenção à escrita ;)

    • Penso que corrigi os erros. Mas, não gostei do teu comentário. Não é a questão da correcção. É mais a arrogância e o estilo. Posso não ter estudado gramática com o interesse necessário. Também não nasci em Portugal. A primeira língua que estudei foi o inglês. Reparo que és dono do domíniohttp://whois.domaintools.com/iphoneportugal.com . Ora, deixa-me dar-te uma pequena lição sobre afirmação no mercado. Essa afirmação não se faz através da violação dos direitos das marcas de terceiros. A marca Iphone é uma marca comunitária que pertence à Apple Inc. Vou tentar ter mais atenção à escrita. Sugiro que tenhas mais atenção à moral, à ética e à lei de propriedade industrial… ;)

Participa! Comenta...