webmaster

Programação Orientada A Objetos No PHP 5 – Parte 1

Olá, Somos criadores de conteúdo apaixonados por web design, programação, criação de websites e tecnologias digitais. O nosso website está online! Explore a nova versão beta, onde terá acesso a novos recursos e melhorias. A sua experiência e feedback são muito importantes para nós! Novos artigos, todas as semanas! Fique atento.
Artigos SEO

Artigos SEO

Search Engine Optimization

Artigos WordPress

Criação de websites.

Tutoriais

Ensino numa série de passos simples

Programação Orientada A Objetos No PHP 5 – Parte 1

O PHP é uma das linguagens de programação mais utilizadas do mundo. Em parte pelos custos de manutenção muito baixos e também devido à curva de aprendizado.

Graças a acessibilidade da linguagem com tipagem fraca e liberdade de estrutura, muito código mal formado é produzido utilizando PHP. E isso gera ainda a má fama de ser uma linguagem de segunda categoria.

Esta idéia esta mudando ao poucos desde o lançamento do PHP 5 que oferece um modelo de desenvolvimento mais estruturado. Com isso o código pode ser composto de forma a ser reutilizado ao mesmo tempo em que se torna mais organizado e de fácil análise. Isso também é conhecido como programar orientado a objetos.

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos

Também conhecida pelas iniciais POO, ou se você prefere inglês OOP, a Programação Orientada a Objetos torna-se progressivamente um modelo seguido pelos desenvolvedores de diversas linguagens. Algumas na verdade exigem que seja feito assim.

Na POO o código é divido em pequenos blocos de procedimentos bastante específicos. Eles são chamados de objetos. O encadeamento das ações disparadas pelos objetos é que faz o programa funcionar.

Certo, e daí? E daí que de uma maneira geral isso que é a POO. Tornar o seu código mais organizado e modular.

Mas cuide para não confundir isso com criar funções. Quando você programa orientado a objetos existe todo um relacionamento e diretrizes seguidas. Não é simplesmente colocar uma função rodando depois da outra.

O Código

Ao invés de trabalhar com analogias e desfilar novos termos, penso que é melhor já começarmos com um exemplo.

class Web{
public $linguagem;
public function pagina(){
echo 'Página escrita utilizando '.$this -> linguagem;
}
}

$var = new Web();
$var->linguagem = 'PHP';
$var -> pagina();

A execução destas linhas mostra na tela a frase: “Página escrita utilizando PHP”.

Classe

A palavra reservada class informa que estamos criando uma classe chamada “Web”. O papel da classe é reunir as características e comportamentos comuns dos objetos.

Um exemplo muito utilizado para ilustrar o papel de uma classe vem da biologia. A classe dos Mamíferos engloba animais tão diferentes quanto o cachorro e o morcego. Mas todos possuem características comuns como produção de leite, coluna vertebral.

Na programação utilizamos o mesmo conceito. A classe pode ter diversas funções que pesquisam em múltiplas tabelas, mas em comum dividem o mesmo propósito e pode acontecer também de trabalharem com as mesmas variáveis.

Dando Nome Às Partes

Ao trabalhar com classes e programação orientada a objetos, é comum chamar variável de atributo. Se o valor do atributo muda, o resultado final também é alterado. Em outras palavras, as características do objeto instanciado mudam. Sendo assim, ao somar todos os atributos temos o estado do objeto.

As funções, por sua vez, são chamadas de métodos. Responsáveis pelo comportamento do objeto, o que ele faz.

Ao instanciar uma classe, isto é, utilizá-la como foi feito nas últimas três linhas do código acima, estamos criando um objeto. Este objeto tem um estado, referente ao que é atribuído à variável e um comportamento que são as chamadas de funções.

Apesar dos nomes complicarem um pouco, não há nada de novo. Temos variáveis, funções e chamadas. A nomenclatura é apenas para fins de padronização e apesar de importante, não saber perfeitamente não influencia no funcionamento do código.

Visibilidade

O PHP não exige que você declare a variável antes de utilizá-la. Você pode atribuir um valor para ela no meio do código sem problemas. Também não precisa definir o tipo de dados que a variável deve receber. Isso é chamado de tipagem fraca.

Depois da abertura da classe declaramos a variável com a palavra public na frente. Isso significa que o acesso à variável é público e podemos modificar o valor atribuído a ela de qualquer lugar do código. Tanto que, ao observar a penúltima linha do código de exemplo, você verá que foi atribuído um valor à variável “linguagem” e esta linha não faz parte da classe.

Observe que estou utilizando a variável como exemplo, mas isso também se aplica às funções.

Além do public, outros modificadores de acesso são o protected e o private. Uma propriedade ou método protected esta disponível somente para a classe onde foi criado e para as subclasses desta. Se for private esta disponível somente para a classe e não para as subclasses. Em ambos os casos não podem ser acessados de fora da classe, como acontece com o public.

Altere no código da página esta linha:

public $linguagem;

Por esta:

private $linguagem;

E veja que retorna um erro de acesso. Já que agora o atributo somente pode ser alterado dentro da classe.

Utilizando a classe

A classe em si não faz nada. Ela precisa ser instanciada e alimentada. Foi criado o objeto com a palavra new e armazenado na variável “$var”. Agora, utilizando a variável, temos acesso aos atributos e métodos da classe.

$var = new Web();
$var->linguagem = 'PHP';
$var -> pagina();

Para fazer referência ao método e ao atributo é que utilizamos o traço mais o sinal de maior do que “->”. Estamos dizemos algo como: dentro da classe Web, acesse o atributo linguagem e preencha com a palavra ‘PHP’.

Quando é chamado o método que mostra a frase na tela, por ser uma função, é preciso adicionar os parênteses.

Execute o código e aparece na tela “Página escrita utilizando PHP”.

Parece muito trabalho para mostrar uma simples frase? Realmente é. Os ganhos são mais visíveis em códigos extensos e isso é apenas um simples exemplo.

this

Decidi explicar o this somente agora, pois fica mais fácil de compreender tendo utilizado a classe. O this é uma referência ao objeto em execução. Ao utilizar o this dentro da função pagina() significa que deve mostrar na tela o conteúdo do atributo mensagem que esta neste(this) objeto.

Conclusão

Com o que vimos neste primeiro artigo você já consegue criar pequenas soluções para os seus programas. Na seqüência desta série sobre programação orientada a objetos você verá sobre herança, interface, implementação, construtores e desconstrutores.

Próximo artigo > Programação Orientada A Objetos No PHP 5 – Parte 2

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)

Deixe o seu comentário, participe!

8 Responses

  1. Muito bom artigo, simples para compreensão de quem quer aprender POO. Depois que vi este artigo resolvi voltar a programar em POO, é um pouco complicado mais vale a pena.
    Obrigado..

    Valeu..

    1. Olá Leandro! Obrigado pelo seu comentário. O autor do artigo, Maicon Sobczak, escreve artigos e tutoriais de qualidade excepcional. Confesso que também gosto muito de ler os artigos deles. Um Abraço Rui Soares

  2. Valeu pessoal pelo apoio. Sem dúvida é um assunto um pouco complicado e deu trabalho para torná-lo o mais acessível possível. E Leandro, acompanhe que têm mais dois tutoriais sobre o assunto.

  3. É Rui, pelo que estou vendo é muito bom mesmo.

    Ok, Maicon, vou acompanhar sim, valeu pelo apoio.

    Obrigado.

  4. Realmente o tema foi bem resumido/elaborado e com isso facilitou o entendimento.

    Valeu!

    1. Olá Gilberto! O artigo foi escrito pelo Maicon Sobczak. Trata-se dum autor muito competente e que escreve bem. Também gosto dos artigos deles. Obrigado pelo seu comentário. Um Abraço! Rui Soares

  5. Olá! Estou fazendo um curso de PHP Orientado a objetos e ao mesmo tempo pesquisando materiais complementares. Encontrei este artigo bem sucinto, porém, muito bem explicado e didático. Parabéns ao autor!
    Abraços,
    Denis Oliveira

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Versão Beta

Estamos a mudar

Olá, Somos criadores de conteúdo apaixonados por web design, programação, criação de websites e tecnologias digitais. Ajudamos os nossos clientes a levar o conteúdo certo às pessoas certas, criando artigos e recursos que facilitam a criação e otimização de websites.

Artigos Populares

Guia Prático Sobre Segurança Do Joomla

Dicas para diminuir substancialmente o número de vetores de ataque ao Joomla! Proteja o seu trabalho!

Os Segredos Do Sucesso Na Internet

A responsabilidade. O querer. O erro e a experimentação. O social. A memória da internet. Ser quem você é.

38 Ideias Espetaculares Para Sites De Empresas

Encontre inspiração nestes 45 exemplos de sites de empresas para criar o site da sua empresa.